É MELHOR VOCÊ FAZER O SEU TRABALHO DE CORRIDA

Artigos sobre boxe e condicionamento físico traduzidos de Ross Enamait, M.S., CFT, renomado atleta e treinador americano certificado pela International Sports Sciences Association (www.rosstraining.com). Uma parceria exclusiva no Brasil entre Ross e eu, sendo o único brasileiro autorizado a traduzir seus textos em inglês. Ross Enamait treinou com o campeâo mundial Marlon Starling, entre outros boxeadores de nível altíssimo a procura do cinturão mundial de boxe e continua até hoje treinando boxeadores e publicando seus livros. Na biblioteca, já tenho 4 livros dele, voltado ao condicionamento físico, ao treino técnico de boxe, nutrição e estratégias.

 

ROSS ENAMAIT (www.rosstraining.com)

 

 

É MELHOR VOCE FAZER O SEU TRABALHO DE CORRIDA

Por Ross Enamait, M.S., CFT,

Tradução de Rick

 

O melhor jeito de se preparar para este esporte é entrar no ringue e boxear. Não interessa o quanto você faça para seu condicionamento físico, se você falhar em fazer sparring, você nunca estará em ´´condicionamento de luta´´. Eu não sei o que causa este fenômeno, mas eu posso atestar que é verdade.

 

Correr e trabalhar no saco pesado não irá preparar seu corpo para o vigor associado a uma luta árdua. O que um programa de corrida IRÁ fazer, entretanto, é aumentar sua habilidade de sustentar um sparring mais intenso. Se você pegar um boxeador que vai a academia todo dia, mas nunca corre e coloca-lo para fazer luvas com um lutador de mesma técnica que faz seu programa de corrida religiosamente, eu aposto que 9 entre 10 vezes que o vencedor será aquele que sempre corre.

 

Então você pergunta, o que você quer dizer com ´´correr´´ ou ´´trabalho de corrida´´? Eu cresci neste jogo entendendo que trabalho de corrida significava acordar cedo pela manhã, fazer um jogging de 5 a 6 km. Enquanto que esta rotina é muito melhor que apertar o snooze do alarme, não é a maneira mais eficaz de usar seu tempo precioso de treino.

 

O boxe é estimado em aproximadamente 70-80% anaeróbico e 20-30% aeróbico. Deixe-me explicar. Anaeróbico significa conduzir uma atividade sem oxigênio. Exercício anaeróbico, como o boxe, estressa o músculo em uma intensidade alta por períodos curtos de tempo. Essencialmente, equivale as rápidas combinações que um lutador usa dentro do ringue. A porção aeróbica da luta entra quando você circula pelo ringue, quando, por exemplo, para tomar um fôlego.

 

Exercício aeróbico é definido como baixa intensidade, repetição de movimentos executados em longos períodos de tempo.

 

Jogging é obviamente uma atividade aeróbica. Então, porque focar seu trabalho de corrida em 20-30% de uma luta?

 

Uma frase comum na comunidade atlética atual é ´´treino específico ao esporte´´. Adivinhe, boxeadores podem fazer seu programa de corrida mais ´´esporte-específico´´ treinando Intervalos. Treino de Intervalos, consiste em correr forte com a mesma duração de tempo de 1 round por 2 ou 3 minutos dependendo se você é amador ou profissional. Seu período de descanso será aproximadamente o mesmo de uma luta, ou seja, 1 minuto. Se você vai lutar 4 rounds, um bom programa consiste em 5 intervalos. Mas é uma boa idéia, à medida que você ganha condicionamento, manter os intervalos em torno de 8 – 10 para evitar o ´´overtraining´´.

 

Este programa deve ser executado 2 a 3 vezes por semana. Nos outros dias, é bom fazer a corrida tradicional de 5 a 6 km. As corridas longas ainda são importantes, pois elas deixam o seu corpo preparado para os árduos treinos de intervalos. Quando você treinar, você deve treinar duro, ou nem treine.

 

Eu recomendo correr intervalos em dias que você não irá fazer sparring (luvas). Não tem coisa pior que fazer luvas sem suas pernas a te sustentar. O treino de intervalo é desenhado a ser intenso. Seu corpo vai precisar de tempo para se recuperar entre as sessões de intervalo. Não deixe de prestar a atenção no descanso e recuperação.

 

Misture no seu treino, tiros rápidos, trabalho de subida de morro, 200, 400, e 800 m de corrida de intervalo.

 

Então, o que você está esperando? Cai fora e vá correr!!

 

UM ERRO COMUM APÓS UMA SESSÃO DE LUVAS (SPARRING)

Artigos sobre boxe e condicionamento físico traduzidos de Ross Enamait, M.S., CFT, renomado atleta e treinador americano certificado pela International Sports Sciences Association (www.rosstraining.com). Uma parceria exclusiva no Brasil entre Ross e eu, sendo o único brasileiro autorizado a traduzir seus textos em inglês. Ross Enamait treinou com o campeâo mundial Marlon Starling, entre outros boxeadores de nível altíssimo a procura do cinturão mundial de boxe e continua até hoje treinando boxeadores e publicando seus livros. Na biblioteca, já tenho 4 livros dele, voltado ao condicionamento físico, ao treino técnico de boxe, nutrição e estratégias.

 

ROSS ENAMAIT (www.rosstraining.com)

 

UM ERRO COMUM APÓS UMA SESSÃO DE LUVAS (SPARRING)

Por Ross Enamait, M.S., CFT,

Tradução de Rick (28/08/2006)

 

 Como vocês sabem, eu sempre prego a importância de se fazer luvas (sparring). Não há caminho para aprender boxe sem entrar no ringue e fazer luvas. O saco não revida, então você deve praticar sua técnica contra um outro lutador.

 

Ao invés de ficar falando sobre a importância do sparring, vamos voltar nossa atenção ao que você faz APÓS o sparring. Tome um tempo e responda a seguinte pergunta:

 

O que você faz na academia depois de uma sessão de luvas (sparring)?

 

Um dos muitos erros acontece justamente após o sparring. Eu vejo isso acontecer a toda hora….

 

 Você trabalha duro durante uma sessão de luvas (sparring). Ambos os lutadores estão exaustos quando termina o último round. Você sai do ringue, retira as luvas e o capacete e vai direto ao bebedouro. Depois de uma água gelada, muitos lutadores sentam e descansam por um momento. Depois de descansar alguns minutos, seu corpo esfria e você não quer mais treinar. Você está feliz com a sessão de luvas, então fim de treino….

 

 A fadiga tem um modo engraçado de influenciar nosso processo de tomar decisões.

 

 Não cometa este erro. Quando estiver se preparando para uma luta, não sente após uma sessão de luvas, pegue uma água, dê uma andada por uns minutos. Não tire a bandagem. Uma vez que você está cansado, você pode realmente começar a treinar. Vá para o saco e trabalhe durante 3 ou 4 duros rounds. Se seu treinador estiver à disposição, trabalhe escolinha com ele (manoplas).

 

Não importa o quão duro você faça luvas, esta não se compara a uma luta de competição. Você não tem que lidar com os nervos e com a multidão. Quando estiver treinando para lutar, você deve ficar cansado na academia! Sim, isso mesmo, ficar CANSADO! Não espere chegar o dia da luta para experimentar a alegria de uma fadiga total. Você deve lutar através da exaustão na academia. Do contrário, você não estará preparado (a) a lutar através da fadiga experimentada durante uma luta de competição.

 

Você nunca sabe o que esperar dentro de um ringue. Como um amador, há uma grande chance de você não saber com quem vai lutar. Você não sabe se enfrentará um boxeador técnico, um pegador, etc. Você deve estar preparado para lutar cada minuto de cada round.

 

Luvas (sparring) é apenas um aspecto da preparação para uma luta. Quando você fica exausto no sparring, você deve dar um passo à frente. Acerte o saco, FORTE! Se esforce até que fique exausto. Lembre-se, você não está treinando para parecer bonito na praia. Você está treinando para lutar. Você está se preparando para enfrentar outro boxeador que planeja te nocautear na frente de sua família e amigos.

 

Você vai deixar ele ou ela treinar mais que você na academia? O que você vai fazer quando estiver completamente exausto no último round? Você já esteve lá? Você já ultrapassou o seu limite de fadiga?

 

Responda estas questões na academia.

MEU TÉCNICO NÃO ACREDITA QUE…

MEU TÉCNICO NÃO ACREDITA QUE…

Inside the Ring – Ross Enamait 2004.

Tradução: Rick (20/03/2007)

 

Um de meus objetivos é que o boxe cresça deixando cair por terra muito dos treinos arcaicos e mitos que assombram nosso esporte. Muitos destes mitos são em relação ao treino com pesos e corridas de longa distância.

 

Treinadores da “velha guarda” ensinam você a correr 6km todo dia. Eles ainda insistem que você evite treinar com pesos. Esses treinadores cresceram em uma era diferente, onde a ciência não estava nem de perto avançada como está hoje. Infelizmente, muitos destes treinadores da antiga passaram seus ensinamentos e mitos para seus lutadores e estes passaram a diante a novos lutadores e assim vai… O resultado no final é um mal-entendido em relação ao treino de boxe e requerimentos de condicionamento. Estes treinos arcaicos foram passados de geração para geração.

 

Eu recebi recentemente um e-mail onde a pessoa informou que seu treinador se opôs ao treino com pesos e corrida de intervalos. Isto é comum em nosso esporte.

 

O que um lutador faz nesta situação?

 

É uma pergunta dura de responder. Como lutador você deve desenvolver um censo de confiança com seu treinador. Você deve acreditar nos conselhos dele. Ele será a pessoa que irá trabalhar em seu córner e te preparar para lutas seguintes.

 

online australian casino Roman” color=”#000000″ size=”3″>Mas qual a relação de seus conselhos com a ciência? A ciência pode pintar um quadro online canadian casinos bem diferente daquilo que seu treinador prega. Você deve falar para seu treinador que ele está errado e informá-lo dos benefícios do condicionamento anaeróbico e do treino de força?

 

Deixe-me listar online casino game alguns nomes que me vem a mente de todos que trabalham com peso e condicionamento anaeróbico…

 

– Shane Mosley

 

– Oscar De La Hoya

 

– Kostya Tszyu

 

– Kermit Cintron

 

– Evander Holyfield

 

Fora suas práticas de condicionamento e força, o que mais há em comum com estes lutadores?

 

Eu responderei esta pergunta para você… Estes lutadores também dividem um reconhecimento merecido como top de linha a nível mundial. Estes são os melhores dos melhores. Evander Holyfield pode ter passado de sua hora, mas nos seus dias, ele era um dos mais condicionados atletas de todos os tempos.

 

É difícil discutir com resultados. Estes lutadores são a prova viva que o treino de força e com pesos NÃO fará você mais lento, contanto que você treine de uma maneira específica para o boxe. Nós não somos fisiculturistas, portanto não se preocupe como os fisiculturistas treinam. Nós somos boxeadores.

 

Você pode inquestionavelmente levantar peso de uma maneira a aumentar sua força, sem atrapalhar seu programa de treino de boxe.

 

Ao invés de começar uma discussão com seu treinador, eu sugiro que você calmamente discuta este tópico. Explique a ele o que você aprendeu a respeito deste assunto. Se ele não concordar, peça a ele seis semanas para provar o valor deste tipo de treino. Um programa de seis semanas de treino será o suficiente para demonstrar que aumentará sua força e condicionamento anaeróbico.

 

Não limite sua habilidade baseado naquilo que outra pessoa não sabe. Você é o atleta, portanto confie em você para melhorar sua performance. Você obviamente se preocupa com sua performance. Se seu treinador não concorda com condicionamento anaeróbico e treino com pesos, você deve fazer por você no seu tempo que dispuser.

 

Você apenas vive uma vez, então eu te aconselho a treinar sem arrependimentos. Está na hora de colocar um basta nestes pensamentos antigos. É SUA responsabilidade maximizar O SEU treino de força e condicionamento. Ninguém pode fazer estes exercícios por você. Você precisa falar com seu técnico ou tomar a iniciativa de melhorar seu condicionamento e força por você mesmo.

Os benefícios da Própolis

A própolis é uma resina extraída de certos vegetais pelas abelhas para manter sua higiene e bom estado sanitário. É um forte produto natural que sofre metamorfose através de segregações corporais da abelha, tornando-se um antibiótico natural empregado no isolamento interno da colméia e mumificação de animais estranhos, impedindo sua decomposição.

COMPOSIÇÃO:
Resina e bálsamos, Cera, Òleos Voláteis e Polén, além de gorduras, ácido amínico, ácido orgânico, enzimas, vitaminas do complexo B,C,H,P, pro vitamina A, ferro, cobre,manganês, zinco e outros componentes. A própolis é eliminado naturalmente pelo organismo sem afetar a flora intestinal.

BENEFÍCIOS:
A própolis, por ter propiedades antibacterianas, anestésicas e cicatrizantes, é indicada para o tratamento de:
-Anginas, amidalites, faringite, laringite, gengivite, estomatites, abcesso dentário, attas, sinusites, bronquites, pneumonias, gripes, rinites.
-Úlceras gástricas, colites, perturbações da flora intestinal.
-Cistite urinária, nefrite, prostatite.
-Furúnculos, abcesso, queimaduras, eczemas, herpes, acne, verrugas, calos.
-Fortalecimento do sistema imunológico.

Dicas de alimentação

DICAS DE ALIMENTAÇÃO PARA MELHOR PERFORMANCE E RESULTADO DE SEU TREINAMENTO

 

 

 

1- Tomar pelo menos de 2 a 3 litros de água por dia (mesmo no inverno).

 

2- Líquido apenas 1 hora antes e 1 hora após as refeições.

 

3- Substitua o leite de vaca pelo leite de SOJA, leite e derivados produzem muco demais que pode levar ao câncer e osteoporose (comprovado por estudos científicos).

 

4- Refrigerante e bebida alcoólica, nem pensar!! (Engordam demais).

 

5- Açúcar, nem pensar. Use adoçante de stevia ou mel. O açúcar é refinado com ácido sulfúrico, além de fermentar e engordar há uma grande probabilidade de se ter gastrite, úlcera e até câncer.

 

6- Troque o óleo de cozinha comum por azeite extra virgem, que faz bem à saúde por ter colesterol bom, procure um com acidez = a 0,5%.

 

7- Evitar se alimentar em demasia após às 20:00h.

 

8- Se tiver muita fome após este horário, coma um ovo cozido (apenas uma gema, e quantas claras quiser) ou um tofu (queijo de soja).

 

9- Tome café, de preferência antes do treino para “despertar”.

 

10- Coma pimenta! Pois ela acelera o metabolismo e faz emagrecer.

 

11- Coma bem no café da manhã e vai diminuindo a comida conforme acaba o dia.

 

12- Procure comer de 3 em 3 horas.

 

13- Procure dormir pelo menos 8h por dia.

 

14- Dica para emagrecer: Exercício aeróbico LEVE (caminhada, corrida, bicicleta) pela manhã logo que acorda, em jejum por 30 minutos.

 

15- Procure sempre misturar na refeição, proteína (em maior quantidade) e carboidrato (em menor quantidade).

 

16- Exemplos de carboidratos complexos (bom): – Batata, pão integral, arroz, banana, aveia, feijão, milho, ervilhas, brócolis, saladas.

 

17- Exemplos de carboidratos simples (ruim): – Doces, refrigerantes, chocolate, balas, bolos.

 

18- Exemplos de proteínas: – Clara de ovo, soja, grão de bico, lentilha, tofu.

 

19- Não abuse das frutas, pois contém frutose que é altamente calórica.

 

 

 

Obs. Se seu objetivo é o aumento de massa muscular, aumente principalmente o consumo de proteína, na base de 2g por peso corporal, ou seja, se você tem 70 kg, você precisa consumir pelo menos 2g x 70 = 140g de proteína.

 

 

 

Lembre-se, para ganhar ou perder peso é muito simples. Se você gasta 2000 calorias (energia) por dia, para você engordar, você precisa consumir mais do que 2000 calorias, e para você emagrecer, precisa consumir menos calorias do que gasta, ou seja, menos que 2000. Se você consumir menos calorias do que gasta, o corpo é obrigado a queimar gordura “estocada” para transformar em energia.

 

Aconselho apenas comprar Albumina que é a clara de ovo desidratada (em pó), sem sabores, apenas a natural ou Whey e misturar em uma vitamina de fruta 3 colheres de sopa, 3 bananas, leite desnatado, 3 colheres de sopa de aveia, uma colher de sopa de linhaça e 750 ml de água (se o leite for em pó). Esta vitamina pode ser dividida em 3 porções, logo que acorda, 30 minutos antes do treino e o restante logo após o treino para uma recuperação rápida.

 

As únicas vitaminas que recomendo tomar é a Vitamina C de 500mg em comprimido, um ao dia e a Vitamina E 400mg, uma cápsula de gel ao dia ou um poli-vitamínico. Elas são antioxidantes, tiram o cansaço, eliminam toxinas do corpo e ao mesmo tempo retardam a velhice.

 

Outro polivitamínico que recomendo é o Polen de Flores, experimente, é uma gama completa de vitaminas e minerais que agem no metabolismo.

 

Outra dica, escolha um dia da semana para “chutar o balde”, pois ninguém é perfeito, e neste dia, coma e beba o que quiser, mas sem exageros, ok?

 

 

 

(Estas informações foram montadas de acordo com experiências próprias e muita pesquisa).

 

 

 

Boa sorte a todos! Rick.

 

 

 

PS: Aconselho a todas as pessoas que NÃO são do sangue Tipo “O” a se tornarem vegetarianos. As pessoas do tipo “O” são carnívoras, não é aconselhável virarem vegetarianos, mas o restante pode sim pois todos sabemos que a carne trás doenças e a sua digestão é imprópria para o corpo humano. Eliminando a carne de seu organismo sua vida muda, sua percepção muda e seu corpo muda. Tente, estará ajudando seu corpo, não será cúmplice do holocausto animal praticado pelo ser humano e nem da poluição ambiental que os restos de cadáver promovem e intoxicam o planeta.

 

 

 

Lembre-se, o artigo é de DICAS e não programa de alimentação. Se quiser um programa confiável de alimentação, procure um profissional capacitado da área de nutrição. Boa sorte!

 

 

 

DESIDRATAÇÃO, CÃIMBRAS E ATUAÇÃO FÍSICA

Por Gustavo Santos

Uma vez instalada, a cãimbra tende a aumentar de intensidade e duração com o decorrer do tempo. Há pessoas que acham que cãimbras ocorrem apenas por falta de condição física.

Mas será isso mesmo? Será que as cãimbras ocorrem apenas em indivíduos que não possuem preparo físico adequado? Gostaria de questionar alguns paradigmas em relação às causas deste fenômeno. É quase uma unanimidade as pessoas relacionarem a ocorrência da câimbra à falta de condicionamento físico do atleta. Apesar de esta ser uma das possíveis razões, não parece ser a principal.

Não há consenso sobre as causas da cãimbra, mesmo porque se apresenta de várias formas, como nos casos de desordem metabólica (gravidez e hipotireoidismo) ou de depleção aguda de volume extracelular (transpiração excessiva, diarréia ou vômitos) e cada forma possui uma ou mais causas.  Vamos nos ater à forma que mais acomete os esportistas: a cãimbra induzida pelo exercício, que pode ser relacionada à desidratação, alterações dos eletrólitos (sódio, cálcio, potássio, cloro, magnésio, etc.), depleção de substrato energético e fadiga, ou acúmulo de metabólitos nos músculos exercitados. Em última análise, quase todas as causas são, na verdade, conseqüências do desequilíbrio hidroeletrolítico, fazendo desta a maior causa da ocorrência de cãimbras.

Para manter suas funções, o corpo humano precisa estabilizar sua temperatura interna dentro de uma faixa muito estreita (entre 36,6 e 37C). O organismo é extremamente eficiente nesta tarefa, porém durante a atividade física, isto se torna mais árduo, já que na contração muscular, aproximadamente 75% da energia produzida, dissipa-se sob a forma de calor podendo elevar, temporariamente, a temperatura corporal interna a 38 ou 40 graus centígrados.
Para diminuir a temperatura corporal, o organismo utiliza a sudorese (produção de suor) como um dos seus principais mecanismos. O suor em contato com o ambiente evapora-se, levando consigo grande quantidade de calor, diminuindo a temperatura corporal. Cabe aqui uma informação importante: o líquido que compõe o suor vem do plasma sanguíneo (porção não-celular do sangue), que possui grande quantidade de eletrólitos. Desse modo quando suamos, não perdemos apenas líquido, mas muitos sais minerais também. Assim, atletas com sudorese intensa se beneficiam do fato de serem mais eficientes na manutenção da temperatura interna do corpo, o que, em teoria, possibilita a continuidade do exercício por mais tempo. Por outro lado, isso pode se tornar uma desvantagem, por acarretar uma taxa de perda de líquidos e eletrólitos muito difíceis de serem repostos.
Em clima quente, alguns atletas chegam a perder de 10 a 15g de sal pelo suor, o que corresponde a quase 10% da quantidade total de sal do organismo.  Se não houver reposição adequada deste íon e do líquido perdido, o desempenho será prejudicado e o surgimento de câimbras torna-se mais provável. Esse tipo de câimbra pode ocorrer durante o exercício ou em até 18 horas após o final deste e é geralmente causado por desidratação e hiponatremia (queda na concentração sanguínea de sódio). O sódio é o principal mineral a ser reposto, já que apenas pequenas quantidades de potássio, cálcio ou magnésio são perdidas no suor. Em outras palavras, bananas ou laranjas (alimentos ricos em potássio), não acabam com as cãimbras, a reposição de sódio sim.

Em média, o suor contém 920 a 1150mg de sódio por litro. Assim, um atleta que perde 5 litros de suor em um dia, perderá, entre 4,6 e 5,75g de sódio (11,5 a 14,4g de sal de cozinha). Atletas bem adaptados ao clima quente podem perder apenas metade disso. A reposição adequada de sódio durante o exercício influencia positivamente a ingestão de água, evita a diminuição do volume plasmático e reduz a produção de urina, diminuindo a desidratação.

A adição de sódio (1150mg/l) à água tem mostrado maximizar a retenção hídrica. Bebidas esportivas, por si só, podem não ser tão eficazes na reposição de sódio, pois contém menor quantidade deste eletrólito (230-575mg/l) para melhorar a palatabilidade. Uma das bebidas esportivas mais vendidas, por exemplo, possui uma versão comercial onde a quantidade de sódio é de 440mg/l e uma versão em pó, para atletas, que contém 1400mg de sódio por litro. A ingestão de cápsulas de sal durante o exercício também pode ajudar a prevenir este quadro.

A taxa de perda de líquido pelo suor depende, obviamente, da temperatura ambiente e pode variar entre 100 ml/h (ambiente frio) a 3 l/h (ambiente quente). Taxas acima de 1,5 l/h trazem desidratação significante, pois é muito difícil repor essa quantidade de líquido durante o exercício, já que o esvaziamento gástrico possui um limite máximo de aproximadamente 1,3 l/h.

A perda de peso corpóreo durante atividade física pode chegar a 8%. Estudos mostram que a perda de 2% do peso corpóreo é suficiente para causar desidratação capaz de resultar em alguma perda de rendimento físico. Assim, em um indivíduo de 70 kg, a perda de 1,4 kg durante a atividade física já seria suficiente para queda no rendimento físico. Mas mesmo a perda de apenas 1% do peso corporal já causa impacto em uma série de funções cardiovasculares e termorregulatórias.

A desidratação causa, também, hipertermia (aumento da temperatura corporal). A reposição hídrica adequada está associada à menor temperatura corporal, menor freqüência cardíaca e menor percepção subjetiva de esforço. Portanto, a desidratação leva à fadiga prematura por aumentar o estresse termorregulatório (tentativa do corpo em manter a temperatura interna constante), à sobrecarga cardíaca, por alterar negativamente o metabolismo muscular (acelera a taxa de depleção de glicogênio), além de alterar funções do Sistema Nervoso Central (reduz motivação e desempenho).

Para a grande maioria das pessoas, uma reposição hídrica de 1 l/h é suficiente para evitar que a desidratação traga prejuízos ao desempenho físico. É importante salientar que a hidratação não deve ser uma preocupação apenas durante a atividade física. Cuidados como não fazer atividade física intensa e/ou de longa duração e evitar bebidas e suplementos que contenham substâncias diuréticas, como a cafeína (café, refrigerantes a base de cola, etc.), já no dia anterior à competição, ajudam a manter uma hidratação adequada.

A concentração de eletrólitos da bebida consumida constitui peça chave no processo de reidratação, sendo o volume de líquido absorvido pelo organismo, diretamente proporcional à quantidade de sódio ingerida. Dada a continuidade da perda de líquidos pela urina mesmo após o exercício e em situação de desidratação, é importante assegurar que o volume de líquido ingerido seja maior do que o volume de líquido perdido pelo suor durante a atividade física. Porém, apenas ingerir uma quantidade de líquido maior do que aquela perdida pelo suor não é o suficiente para restabelecer a hidratação, já que a ingestão de grande volume de água (líquido sem quantidade significativa de eletrólitos) leva à hemodiluição, caracterizada por queda na concentração de eletrólitos plasmáticos e na osmolaridade (unidade usada para expressar a concentração de uma solução), resultando em maior diurese (produção de urina).

Resumindo, a desidratação, a possível queda de rendimento e o surgimento de câimbras podem ser evitados com a ingestão de 1 litro de água (juntamente com a reposição de eletrólitos) por hora. Sob circunstâncias em que a desidratação não pode ser evitada, como no caso de indivíduos que suam intensamente, o objetivo deve ser diminuir a magnitude da desidratação, ingerindo a maior quantidade de fluidos possível, dentro do tolerável, tentando sempre diminuir a taxa de sudorese.

Deixo claro que essas recomendações são feitas para atletas e em especial para aqueles que possuem sudorese intensa, já que a ingestão regular excessiva de sódio está fortemente relacionada ao desenvolvimento de hipertensão arterial. Deve-se sempre procurar um nutricionista para que essa reposição seja feita de forma correta e individualizada.

Referências:

GUYTON, A.C.; HALL, J.E. Tratado de Fisiologia Médica. 10ª ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 2002.

MILLER, T.M.; LAYZER, R.B. Muscle Cramps. Muscle & Nerve. 32: 431-442, 2005.

MURRAY, B. Hydrartion and Physical Performance. J Am Col Nutr. 26(5): 542-548, 2007.

SAWKA, M.N. & MONTAIN, S. J. Fluid and electrolyte supplementation for exercise heat stress. Am J Clin Nutr. 72: 564S-572S, 2000.

SHIRREFFS, S.M., WATSSON, P., MAUGHAN, R.J. Milk as an effective post-exercise rehydration drink. Br J Nutri. 98: 173-180, 2007.

http://vbpete.com/vb/Cramping-SodiumSolution.pdf, E. R. EICHNER. Cramping in Summer Sports: The Sodium Solution. Gatorade Sport Science Institute. Acessado em 23/12/10.

 

Gustavo Santos é preparador físico, Especialista em Bioquímica, Fisiologia, Treinamento e Nutrição Desportiva, pelo Laboratório de Bioquímica do Exercício (LABEX) da UNICAMP e Mestre em Biologia Funcional e Molecular na área de Fisiologia, pelo Departamento de Anatomia, Biologia Celular e Fisiologia e Biofísica do Instituto de Biologia da UNICAMP.

gubasantos@hotmail.com

Intervalos tábata

INTERVALOS TABATA

 

Por Ross Enamait, tradução de Ricardo Unanian.

 

 

Existe várias opções para você melhorar e aumentar a intensidade de seu condicionamento aeróbico. Uma das opções são os treinos de Intervalos Tabata.

O termo Intervalo Tabata se originou de um estudo feito pelo Dr. Izumi Tabata e colegas no Instituto Nacional de Fitness e Esportes em Tokyo. Não entrarei no detalhe científico do exercício, apenas posso dizer que os estudos mostraram que uma moderada intensidade de treino aeróbico que melhorava a força máxima aeróbica não mudava a capacidade anaeróbica e que com um exercício adequado de alta intensidade intermitente melhora ambos o aeróbico e anaeróbico através de uma excelente estimulação dos dois sistemas.

 

O treino de Tabata consiste em 20 segundos de exercícios com máxima intensidade seguido de 10 segundos de descanso, repetidos por 8 vezes (total de 4 min) e, estes exercícios podem ser o treino no saco pesado, corrida, pular corda, flexões, barras, burpees, etc. A primeira reação será ´´Quanto de eficiência este protocolo pode ter com apenas 4 minutos de treino?´´ A resposta é MUITO EFICIENTE!

 

Você se surpreenderá com a intensidade de treino com apenas 4 minutos. Este treino atinge o sistema anaeróbico e aeróbico juntos e é excelente para aqueles atletas que participam de esportes intensivos como o MMA (mixed martial arts – vale tudo), jiu-jitsu, boxe e wrestling.

 

Com apenas 6 semanas de testes, o Dr. Tabata notou um aumento de 28% na capacidade anaeróbica e um significante aumento de energia aeróbica. Este tipo de treinamento é super eficiente para se perder peso, pois aumentará seu metabolismo e o manterá alto por muitas horas mesmo após o término do treinamento, fazendo com que você continue a queimar gordura durante o dia. Estudos recentes mostraram que este tipo de treino queima em torno de 142% a mais de calorias do que um treino de baixa intensidade e longa duração.

 

Exemplo de treino Tabata:

 

Pular corda

Flexões

Agachamento sem peso

Flexão na barra

 

Este treino consiste em 4 Tabatas separados de 4 minutos, com um total de 16 minutos. Outro exercício que você pode incluir é o treino no saco pesado: Soque sem parar por 20 segundos e descanse 10 segundos. Você se sentirá surpreso com a dificuldade deste exercício no saco pesado de pancada, outro, também de alto grau de dificuldade é o burpee.

 

Fonte: Ross Enamait: www.rosstraining.com

Antonio Ângelo Carollo – A História do Boxe Brasileiro

Antonio Ângelo Carollo

1923 – 2012

Hoje, dia 18 de Janeiro de 2012. Recebi uma ligação de meu amigo Sidnei Dal Rovere me informando da passagem do Sr. Antonio Carollo no dia de ontem aos 88 anos. Ao mesmo tempo que fico triste, fico feliz por ter convivido com o Sr. Carollo nos últimos tempos, graças ao mesmo Sidnei Dal Rovere que faz questão de manter viva a história do Boxe brasileiro, desta vez nos proporcionando com um jantar em homenagem ao “Seu” Carollo bem como uma justa homenagem também no III Evento da AproBoxe, o CarnaBoxe. Segue um texto de Sidnei Dal Rovere sobre a vida pugilística de Seu Carollo. Vou me lembrar com carinho da carona que eu e minha esposa Clara demos ao Seu Carollo neste último evento e as histórias que ele contou da Pirelli e das Olimpíadas que ele participou. Descanse em paz querido!

alt

Começou no boxe em 1945, aos 17 anos de idade, tendo como técnico Waldemar Zumbano, foi campeão no campeonato Paulista dos Novos, mas sua carreira não foi longa, apenas 2 anos e logo após seu casamento, em 1945, Carollo pendurou definitivamente as luvas.
Depois de fazer um curso para formação de técnico em boxe, em 1957, foi ensinar a maestria dos punhos no Clube Aramaçã em Santo André.
Trazia seus lutadores de trem para lutarem em São Paulo, descia na Estação da Luz e então iam a pé rumo ao Clube Wilson Russo, na Consolação. Terminavam os combates e saiam correndo da Consolação até a Estação da Luz, para que pudessem pegar o último trem até Santo André.
Saiu do Aramaçã e fez história na ADC Pirelli.
Três anos mais tarde a Pirelli começava a se destacar ao vencer o primeiro “Torneio dos Campeões”. As lutas eram realizadas no Circo Piolim e televisionadas pela antiga TV Tupi.
Na época participavam grandes clubes, Palmeiras, Corinthians, Portuguesa, São Paulo, Wilson Russo (que era a maior força do boxe), além de muitas firmas que mantinham um departamento de boxe, como a Matarazzo.
Já em 1963 grandes lutadores estiveram sob sua orientação: Rubens Alves de Oliveira, Pedro Dias, Rubens Vasconcelos e Edson Jorge que conquistaram medalhas nos Jogos Pan-americanos realizados em São Paulo.
Em 1968, a única medalha olímpica do boxe brasileiro foi conquistada pelo seu pupilo Servílio de Oliveira, sob sua orientação, nos Jogos Olímpicos do México.
Servílio como boxeador profissional também foi campeão brasileiro e sul-americano, chegou a ocupar a terceira posição do ranking mundial.
Miguel de Oliveira que treinou na Pirelli sob os cuidados do técnico Carollo, conquistou o título mundial de boxe do Conselho Mundial de Boxe em 1975 contra o espanhol José Duran.
Chiquinho de Jesus é outro destaque que também foi treinado por Carollo, tanto no boxe amador (é o boxeador amador brasileiro que conquistou o maior número de títulos regionais, nacionais e internacionais); como profissional, conquistou o título brasileiro e sul-americano (até os anos 80 para disputar e lutar pelo título sul americano era necessário ser o primeiro do ranking e vencer o campeão sul-americano); Chiquinho de Jesus ainda disputou o título mundial contra Julian Jackson.
No São Paulo Futebol Clube, treinou grandes boxeadores, entre eles, Popó.
Acelino Freitas que foi medalha de prata do pan-americano da Argentina em 1995 e depois conquistou 3 títulos mundiais para o Brasil.
Valdemir “Sertão” Pereira que foi o quarto brasileiro a conquistar o título mundial de boxe também foi pupilo do Carollo na carreira de boxeador amador.
Dos 4 boxeadores brasileiros que conquistaram título mundial no boxe profissional, 3 passaram pelos ensinamentos do Carollo.
Podemos passar o dia todo e não conseguiremos listar todos os grandes boxeadores que tiveram a sorte de ser orientado pelo mestre Antonio Ângelo Carollo.

alt

 

COLESTEROL NÃO É O INIMIGO QUE VOCÊ FOI INDUZIDO A CRER

A Verdade sobre o Colesterol:

Cirurgião Cardíaco admite enorme erro!

 

 

Dr. Dwight C. Lundell, MD *

Nós, os médicos, com todos os nossos treinamentos, conhecimento e autoridade, muitas vezes adquirimos um ego bastante grande, que tende a tornar difícil admitir quando estamos errados. Então, aqui está: admito estar errado.

Como um cirurgião com experiência de 25 anos, tendo realizado mais de 5.000 cirurgias de coração aberto, hoje é meu dia para reparar o erro de médicos com este fato científico.

Eu treinei por muitos anos com outros médicos proeminentes rotulados como “formadores de opinião”. Bombardeado com a literatura científica, sempre participando de seminários de educação, formuladores de opinião insistiam que doença cardíaca resulta do fato simples dos elevados níveis de colesterol no sangue.

A terapia aceita era a prescrição de medicamentos para baixar o colesterol e uma severa dieta restringindo a ingestão de gordura. Esta última, é claro, que insistiu que baixar o colesterol evita doenças cardíacas. Qualquer recomendação diferente era considerada uma heresia e poderia possivelmente resultar em erros médicos.

Ela não está funcionando! Estas recomendações não são cientificamente ou moralmente defensáveis. A descoberta, há alguns anos que a inflamação na parede da artéria é a verdadeira causa da doença cardíaca é lenta, levando a uma mudança de paradigma na forma como as doenças cardíacas e outras enfermidades crônicas serão tratadas.

As recomendações dietéticas estabelecidas há muito tempo podem ter criado uma epidemia de obesidade e diabetes, cujas consequências apequenam qualquer praga histórica em termos de mortalidade, o sofrimento humano e terríveis consequências econômicas.

Apesar do fato de que 25% da população toma caros medicamentos a base de estatina e, apesar do fato de termos reduzido o teor de gordura de nossa dieta, mais americanos vão morrer este ano de doença cardíaca do que nunca.

Estatísticas do American Heart Association, mostram que 75 milhões dos americanos atualmente sofrem de doenças cardíacas, 20 milhões têm diabetes e 57 milhões têm pré-diabetes. Esses transtornos estão afetando as pessoas cada vez mais jovens, em maior número a cada ano.

Simplesmente dito, sem a presença de inflamação no corpo, não há nenhuma maneira que faça com que o colesterol se acumule nas paredes dos vasos sanguíneos e cause doenças cardíacas e derrames. Sem a inflamação, o colesterol se movimenta livremente por todo o corpo como a natureza determina. É a inflamação que faz o colesterol ficar preso.

A inflamação não é complicada – é simplesmente a defesa natural do corpo a um invasor estrangeiro, tais como toxinas, bactérias ou vírus. O ciclo de inflamação é perfeito na forma como ela protege o corpo contra esses invasores virais e bacterianos. No entanto, se cronicamente expor o corpo à lesão por toxinas ou alimentos no corpo humano, para os quais não foi projetado para processar, uma condição chamada inflamação crônica ocorre. A inflamação crônica é tão prejudicial quanto a inflamação aguda é benéfica.

Que pessoa ponderada voluntariamente exporia repetidamente a alimentos ou outras substâncias conhecidas por causarem danos ao corpo? Bem, talvez os fumantes, mas pelo menos eles fizeram essa escolha conscientemente.

O resto de nós simplesmente seguia a dieta recomendada correntemente, baixa em gordura e rica em gorduras poliinsaturadas e carboidratos, não sabendo que estavam causando prejuízo repetido para os nossos vasos sanguíneos. Esta lesão repetida cria uma inflamação crônica que leva à doença cardíaca, diabetes, ataque cardíaco e obesidade.

Deixe-me repetir isso: a lesão e inflamação crônica em nossos vasos sangüíneos é causada pela dieta de baixo teor de gordura recomendada por anos pela medicina convencional.

Quais são os maiores culpados da inflamação crônica? Simplesmente, são a sobrecarga de simples carboidratos altamente processados ​​(açúcar, farinha e todos os produtos fabricados a partir deles) e o excesso de consumo de óleos ômega-6, vegetais como soja, milho e girassol, que são encontrados em muitos alimentos processados.

Imagine esfregar uma escova dura repetidamente sobre a pele macia até que ela fique muito vermelha e quase sangrando. Faça isto várias vezes ao dia, todos os dias por cinco anos. Se você pudesse tolerar esta dolorosa escovação, você teria um sangramento, inchaço e infecção da área, que se tornaria pior a cada lesão repetida. Esta é uma boa maneira de visualizar o processo inflamatório que pode estar acontecendo em seu corpo agora.

Independentemente de onde ocorre o processo inflamatório, externamente ou internamente, é a mesma. Eu olhei dentro de milhares e milhares de artérias. Na artéria doente parece que alguém pegou uma escova e esfregou repetidamente contra a parede da veia. Várias vezes por dia, todos os dias, os alimentos que comemos criam pequenas lesões compondo em mais lesões, fazendo com que o corpo responda de forma contínua e adequada com a inflamação.

Enquanto saboreamos um tentador pão doce, o nosso corpo responde de forma alarmante como se um invasor estrangeiro chegasse declarando guerra. Alimentos carregados de açúcares e carboidratos simples, ou processados ​​com óleos omega-6 para durar mais nas prateleiras foram a base da dieta americana durante seis décadas. Estes alimentos foram lentamente envenenando a jeux machine a sous todos.

Como é que um simples bolinho doce cria uma cascata de inflamação fazendo-o adoecer?

Imagine derramar melado no seu teclado, aí você tem uma visão do que ocorre dentro da célula. Quando consumimos carboidratos simples como o açúcar, o açúcar no sangue sobe rapidamente. Em resposta, o pâncreas segrega insulina, cuja principal finalidade é fazer com que o açúcar chegue em cada célula, onde é armazenado para energia. Se a célula estiver cheia e não precisar de glicose, o excesso é rejeitado para evitar que prejudique o trabalho.

Quando suas células cheias rejeitarem a glicose extra, o açúcar no sangue sobe produzindo mais insulina e a glicose se converte em gordura armazenada.

O que tudo isso tem a ver com a inflamação? O açúcar no sangue é controlado em uma faixa muito estreita. Moléculas de açúcar extra grudam-se a uma variedade de proteínas, que por sua vez lesam as paredes dos vasos sanguíneos. Estas repetidas lesões às paredes dos vasos sanguíneos desencadeiam a inflamação. Ao cravar seu nível de açúcar no sangue várias vezes por dia, todo dia, é exatamente como se esfregasse uma lixa no interior dos delicados vasos sanguíneos.

Mesmo que você não seja capaz de ver, tenha certeza que está acontecendo. Eu vi em mais de 5.000 pacientes que operei nos meus 25 anos que compartilhavam um denominador comum – inflamação em suas artérias.

Voltemos ao pão doce. Esse gostoso alimento com aparência inocente não só contém açúcares, é também preparado em um dos muitos óleos omega-6 como o de soja. Batatas fritas e peixe frito são embebidos em óleo de soja, alimentos processados ​​são fabricados com óleos omega-6 para alongar a vida útil. Enquanto ômega-6 é essencial – e faz parte da membrana de cada célula controlando o que entra e sai da célula – deve estar em equilíbrio correto com o ômega-3.

Com o desequilíbrio provocado pelo consumo excessivo de ômega-6, a membrana celular passa a produzir substâncias químicas chamadas citocinas, que causam inflamação.

Atualmente a dieta costumeira do americano tem produzido um extremo desequilíbrio dessas duas gorduras (ômega-3 e ômega-6). A relação de faixas de desequilíbrio varia de 15:1 para tão alto quanto 30:1 em favor do ômega-6. Isso é uma tremenda quantidade de citocinas que causam inflamação. Nos alimentos atuais uma proporção de 3:1 seria ideal e saudável.

Para piorar a situação, o excesso de peso que você carrega por comer esses alimentos, cria sobrecarga de gordura nas células que derramam grandes quantidades de substâncias químicas pró-inflamatórias que se somam aos ferimentos causados por ter açúcar elevado no sangue. O processo que começou com um bolo doce se transforma em um ciclo vicioso que ao longo do tempo cria a doença cardíaca, pressão arterial alta, diabetes e, finalmente, a doença de Alzheimer, visto que o processo inflamatório continua inabalável.

Não há como escapar do fato de que quanto mais alimentos processados e preparados consumirmos, quanto mais caminharemos para a inflamação pouco a pouco a cada dia. O corpo humano não consegue processar, nem foi concebido para consumir os alimentos embalados com açúcares e embebido em óleos omega-6.

Há apenas uma resposta para acalmar a inflamação, é voltar aos alimentos mais perto de seu estado natural. Para construir músculos, comer mais proteínas. Escolha carboidratos muito complexos, como frutas e vegetais coloridos. Reduzir ou eliminar gorduras omega-6 causadores de inflamações como óleo de milho e de soja e os alimentos processados ​​que são feitas a partir deles. Uma colher de sopa de óleo de milho contém 7.280 mg de ômega-6, de soja contém 6.940 mg. Em vez disso, use azeite ou manteiga de animal alimentado com capim.

As gorduras animais contêm menos de 20% de ômega-6 e são muito menos propensas a causar inflamação do que os óleos poliinsaturados rotulados como supostamente saudáveis. Esqueça a “ciência” que tem sido martelada em sua cabeça durante décadas. A ciência que a gordura saturada por si só causa doença cardíaca é inexistente. A ciência que a gordura saturada aumenta o colesterol no sangue também é muito fraca. Como sabemos agora que o colesterol não é a causa de doença cardíaca, a preocupação com a gordura saturada é ainda mais absurda hoje.

A teoria do colesterol levou à nenhuma gordura, recomendações de baixo teor de gordura que criaram os alimentos que agora estão causando uma epidemia de inflamação.

A medicina tradicional cometeu um erro terrível quando aconselhou as pessoas a evitar a gordura saturada em favor de alimentos ricos em gorduras omega-6. Temos agora uma epidemia de inflamação arterial levando a doenças cardíacas e a outros assassinos silenciosos.

O que você pode fazer é escolher alimentos integrais que sua avó serviu e não aqueles que sua mãe encontrou nos corredores de supermercado cheios de alimentos industrializados. Eliminando alimentos inflamatórios e aderindo a nutrientes essenciais de produtos alimentares frescos não-processados, você irá reverter anos de danos nas artérias e em todo o seu corpo causados pelo consumo da dieta típica americana.

O ideal é voltarmos aos alimentos naturais e muito trabalho físico (exercicios). 

(*) Este é um artigo do Dr. Dwight Lundell MD, conforme apresentado no Momento Saudável, e que reproduzo aqui. O original, em inglês, pode ser encontrado em duas partes AQUI e AQUI.

 

Dr. Dwight C. Lundell é ex-Chefe de Gabinete e Chefe de Cirurgia no Hospita l do Coração Banner, Mesa, Arizona. Sua prática privada, Cardíaca Care Center foi em Mesa, Arizona. Recentemente, Dr. Lundell deixou a cirurgia para se concentrar no tratamento nutricional de doenças cardíacas. Ele é o fundador da Fundação Saúde dos Humanos, que promove a saúde humana com foco na ajuda às grandes corporações promover o bem estar. Ele é o autor dos livros A cura para a doença cardíaca e A Grande Mentira Colesterol.

Os 10 Piores Alimentos para sua saúde

Nutricionista lista os 10 piores alimentos para sua saúde

 

Que atire a primeira pedra quem não se rende a um fast food, salgadinho ou cachorro-quente e depois fica preocupado com as calorias que ingeriu. Mas o que pouca gente sabe é que os perigos desses alimentos vão muito além da questão estética e podem ser um risco para a saúde. Para esclarecer esses problemas, a nutricionista Michelle Schoffro Cook listou os dez piores alimentos de todos os tempos.
10º lugar: Sorvete

Apesar de existirem versões mais saudáveis que os tradicionais sorvetes industrializados, a nutricionista adverte que esse alimento geralmente possui altos níveis de açúcar e gorduras trans, além de corantes e saborizantes artificiais, muitos dos quais possuem neurotoxinas – substâncias químicas que podem causar danos no cérebro e no sistema nervoso.
9º lugar: Salgadinho de milho

De acordo com Michelle, desde o surgimento dos alimentos transgênicos a maior parte do milho que comemos é um “Frankenfood”, ou “comida Frankenstein”. Ela aponta que esse alimento por causar flutuação dos níveis de açúcar no sangue, levando a mudanças no humor, ganho de peso, irritabilidade, entre outros sintomas. Além disso, a maior parte desses salgadinhos é frita em óleo, que vira ranço e está ligado a processos inflamatórios.
8º lugar: Pizza

Michelle destaca que nem todas as pizzas são ruins para a saúde, mas a maioria das que são vendidas congeladas em supermercados está cheia de condicionadores de massa artificiais e conservantes. Feitas farinha branca, essas pizzas são absorvidas pelo organismo e transformadas em açúcar puro, causando aumento de peso e desequilíbrio dos níveis de glicose no sangue.
7º lugar: Batata frita

Batatas fritas contêm não apenas gorduras trans, que já foram relacionadas a uma longa lista de doenças, como também uma das mais potentes substâncias cancerígenas presentes em alimentos: a acrilamida, que é formada quando batatas brancas são aquecidas em altas temperaturas. Além disso, a maioria dos óleos utilizados para fritar as batatas se torna rançosa na presença do oxigênio ou em altas temperaturas, gerando alimentos que podem causar inflamações no corpo e agravar problemas cardíacos, câncer e artrite.
6 lugar: Salgadinhos de batata

Além de causarem todos os danos das batatas fritas comuns e não trazerem gambling on line nenhum benefício nutricional, esses salgadinhos contêm níveis mais altos de acrilamida, que também é cancerígena.
5º lugar: Bacon

Segundo a nutricionista, o consumo diário de carnes processadas, como bacon, pode aumentar o risco de doenças microgaming online casinos cardíacas em 42% e de diabetes em 19%. Um estudo da Universidade de Columbia descobriu ainda que comer 14 porções de bacon por mês pode danificar a função pulmonar e aumentar o risco de doenças ligadas ao órgão.
4º lugar: Cachorro-quente

Michelle cita um estudo da Universidade do Havaí, que mostrou que o consumo de cachorros-quentes e outras carnes processadas pode aumentar o risco de câncer de pâncreas em 67%. Um ingrediente encontrado tanto no cachorro-quente quanto no bacon é o nitrito de sódio, uma substância cancerígena relacionada a doenças como leucemia em crianças e tumores cerebrais em bebes. Outros estudos apontam que a substância pode desencadear câncer colorretal.
3º lugar: Donuts (Rosquinhas)

Entre 35% e 40% da composição dos donuts é de gorduras trans, “o pior tipo de gordura que você pode ingerir”, alerta a nutricionista. Essa substância está relacionada a doenças cardíacas e cerebrais, além de câncer. Para completar, esses alimentos são repletos de açúcar, condicionadores de massa artificiais e aditivos alimentares, e contém, em média, 300 calorias cada.
2º lugar: Refrigerante

Michelle conta que, de acordo com uma pesquisa do Dr. Joseph Mercola, “uma lata de refrigerante possui em média 10 colheres de chá de açúcar, 150 calorias, entre 30 e 55 mg de cafeína, além de estar repleta de corantes artificiais e sulfitos”. “Somente isso já deveria fazer você repensar seu consumo de refrigerantes”, diz a nutricionista.
Além disso, essa bebida é extremamente ácida, sendo necessários 30 copos de água para neutralizar essa acidez, que pode ser muito perigosa para os rins. Para completar, ela informa que os ossos funcionam como uma reserva de minerais, como o cálcio, que são despejados no sangue para ajudar a neutralizar a acidez causada pelo refrigerante, enfraquecendo os ossos e podendo levar a doenças como osteoporose, obesidade, cáries e doenças cardíacas.
1º lugar: Refrigerante Diet

“Refrigerante Diet é a minha escolha para o Pior Alimento de Todos os Tempos”, diz Michelle. Segundo a nutricionista, além de possuir todos os problemas dos refrigerantes tradicionais, as versões diet contêm aspartame, que agora é chamado de AminoSweet. De acordo com uma pesquisa de Lynne Melcombe, essa substância está relacionada a uma lista de doenças, como ataques de ansiedade, compulsão alimentar e por açúcar, defeitos de nascimento, cegueira, tumores cerebrais, dor torácica, depressão, tonturas, epilepsia, fadiga, dores de cabeça e enxaquecas, perda auditiva, palpitações cardíacas, hiperatividade, insônia, dor nas articulações, dificuldade de aprendizagem, TPM, cãibras musculares, problemas reprodutivos e até mesmo a morte.
“Os efeitos do aspartame podem ser confundidos com a doença de Alzheimer, síndrome de fadiga crônica, epilepsia, vírus de Epstein-Barr, doença de Huntington, hipotireoidismo, doença de Lou Gehrig, síndrome de Lyme, doença de Ménière, esclerose múltipla, e p